Home Templo de Estudos Maçônicos MAÇONARIA: COMO ELABORAR UM TRABALHO MAÇÔNICO
MAÇONARIA: COMO ELABORAR UM TRABALHO MAÇÔNICO Imprimir E-mail
Ter, 15 de Março de 2011 14:00

MAÇONARIA: COMO ELABORAR UM TRABALHO MAÇÔNICO

Helio P. Leite

15.03.2011

Introdução.

A idéia de elaborar este trabalho surgiu tão logo ingressamos na Ordem Maçônica, isto há dezessete anos quando começamos a assistir as primeiras apresentações de trabalho de alguns irmãos e observar as dificuldades que alguns demonstravam para escrever seus trabalhos.

Observávamos, também, que alguns apresentadores poderiam melhorar seus desempenhos caso lhes fossem passadas algumas informações relacionadas com as pesquisas de forma que fossem mais pesquisas ao tema, não se afastando muito dele; buscando, assim e que despertasse a tenção dos ouvintes.

O palestrante às vezes desviava do tema ou copiava um texto na íntegra, apresentando-o como se fosse uma pesquisa sua sem, contudo ter o cuidado de pelo menos citar a fonte consultada.

Além desses cuidados, os assuntos devem conter ingredientes atrativos que despertem e prendam os interesses dos espectadores, do início ao fim da palestra.

Ressalta-se, também, o poder da fala do orador que é o responsável pelo sucesso ou fracasso do discurso.

Considerações iniciais:

Obviamente, não temos a pretensão neste pequeno trabalho de esgotar todo o assunto pertinente Metodologia de Pesquisa, mesmo porque esta nossa modesta contribuição destina-se àqueles maçons que estão iniciando suas investigações e que não sabem como começa-las, vez que nunca tiveram a oportunidade de ler ou ter algum tipo de contato com pesquisadores, ou com livros que ensinaram como pesquisar.

Todos nós, instintivamente, realizamos pesquisas. Citamos como exemplo a compra de um carro, de um imóvel, ou até mesmo quando fazemos compras no supermercado. É óbvio que não usamos aqueles critérios recomendados pelo menor preço.

A mesma coisa acontece com uma pesquisa. O produto tem que ser real, fidedigno e de forma a convencer a quem se utilizar ou se interessar por ele.

A primeira preocupação daquele indíviduo que pretende realizar uma pesquisa reside, inicialmente, na escolha do tema. Uma vez decidido o assunto a ser investigado, ele esbarra na segunda dúvida que é: como começar.

A nossa experiência e alguns autores apontam a seguinte conduta dados, não se esquecendo de distribuí-los em um fichário, preferencialmente por ordem alfabética e/ou por ordem cronológica.

Aí tem início a fase de organização, que será de suma importância para quando estiver sendo escrito o trabalho.

Esses dados podem ser coletados em livros, em periódicos, em palestras, entrevistas, etc. Contudo tenha sempre preocupações de fazer as anotações com detalhes e não se esqueça de citar sempre a fonte de sua consulta para fins de identificação.

Doravante chamaremos todo aqueles Maçons que realiza sua pesquisa, de pesquisador, embora saibamos que para ser considerado pesquisador está ainda um pouco distante.

Um trabalho que preza, ao ser apresentado por escrito deve seguir princípios e técnicas da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, que é a entidade normativa com autoridade nesse assunto.

Tão logo a Maçom inicie suas pesquisas ele deve ter a preocupação de fazer um pequeno fichário, para suas anotações, que podem ser por assuntos, por títulos, por autor, etc. Essa atitude lhe será útil por toda a vida Maçônica, auxiliando na elaboração dos trabalhos dos Graus, nas palestras, nas publicações, e, sobretudo na sua “Monografia” final para atingir o grau 33.

A rigor, todos os trabalhos que Maçom apresentam para promoção de graus deverão ser examinados por uma comissão do corpo ao qual pertence e essa comissão deverá apontar os erros cometidos, e, se for o caso, devolver o trabalho ao pesquisador, orientando-o quanto às nova datas para apresentação do trabalho.

Por que toda essa preocupação? Ao nosso juízo, entendemos ser por duas razões que consideramos importantes: a primeira porque a Maçonaria é uma Escola de Líderes de qualidade; a Segunda, porque se trata de pesquisa. Por isso, tem que ter rigor princípios, critérios, técnicas, etc.

O Propósito.

Como já dissemos anteriormente, com este modesto trabalho temos a intenção de ajudar aqueles que encontram dificuldades em realizar suas pesquisas; por isso estamos apresentando algumas informações que podem ajudar no desenvolvimento e redação do trabalho.

Assim aconselhamos que os “pesquisadores” sigam as seguintes etapas:

1a. definição do tema a ser pesquisado;

2a. delimitação do tema, de forma a não torna-lo tão genérico ou solto no tempo e no espaço;

3a. revisão literária.Iniciar a coleta de dados, que pode ser nos livros, nos periódicos, em outras pesquisas, em entrevistas, em palestras, etc. É de suma importância que o pesquisador tenha ciência, dos trabalhos existente relativamente ao tema escolhido. Isso porque determinados assuntos são bastantes pesquisadores e ensejam maior aprofundamento. Neste sentido, é importante seguir o conselho de Francis Bacon: - “leia, não para contradizer ou negar, nem para acreditar ou aceitar sem críticas... mas para pensar e refletir”.

4a. escrever em um fichário todo o material coletado, seguindo as normas da ABNT – uma vez coletado todo o material terá início, então, a fase dissertativa.

Nessa fase de busca litérica sobre o assunto, o pesquisador não deve se preocupar quando não encontrar o que procurar; na verdade a literatura Maçônica em nosso país é recente e, além disso, os autores são pouquíssimos.

A revisão de literatura se constitui numa busca objetivando detectar o que se tem escrito sobre o tema, de forma a identificação que está faltando para completar ou ampliar o assunto.

É importante ressaltar, que uma pesquisa sobre um determinado tema objetivando um “tempo de estudo”, ou uma “tese”, têm “conferência” tem fundamentos diferenciados, maior ou menor dedicação do pesquisador.

Para aqueles Maçons que são pesquisadores ou que já estejam acostumados a esse tipo de trabalho, é bem provável que esse tipo de trabalho não terá muitos acréscimos; entretanto, como já nos referimos acréscimos; entretanto, como já nos referimos anteriormente na Ordem Maçônica e que estão encontrando dificuldades para a realização de seus trabalhos.

Como já foi dito antes, a nossa intenção é auxiliar na elaboração de trabalhos de pesquisas e de monografias, que são solicitadas a maçons que pretendem ser solicitados aos graus existentes na Maçonaria.

Propositadamente deixaremos para falar sobre a diagramação do trabalho, um pouco mais à frente.

Passaremos então à fase seguinte que é a redação do trabalho. Essa é também uma grande dúvida para quem se inicia, pois ficam indecisos por onde começar.

Componentes Essenciais.

Redação do Trabalho.

Sabe-se que escrever não é uma tarefa fácil ou dom natural para todas as pessoas; assim, algumas delas necessitam desprender grande esforço e muita persistência para colocar no papel aquilo que pensa, ou que pesquisam.

Entretanto, é muito importante ressaltar que cada escritor tem seu estilo próprio de escrever, interpretar ou relatar um episódio, assim alguns são mais detalhistas e outros tende a fantasiar. Por outro lado, o que se busca é a clareza da linguagem, de forma que a fala seja atrativa e que a mensagem traduza a verdade.

Convém ser ressaltado que embora cada autor siga um roteiro diferente ao escrever o seu trabalho, dada à própria flexibilidade, o mais importante é que o trabalho contenha aspectos fundamentais que são exigidos na elaboração de uma monografia.

Sabemos que alguns autores têm na mente suas experiências; faltando apenas passar para o papel. Aí talvez, resida a parte mais difícil, fase em que o pesquisador se depara com inúmeros problemas que podem bloquear a redação do seu trabalho.

Relembrando o que já dissemos anteriormente apesar dos estilos serem individuais, o quê é muito bom porque enriquece o discurso, o que mais importa nessa redação é o pesquisador está pensando; qual o seu entendimento e qual a sua compreensão sobre o que foi pesquisado.

A tarefa de escrever exige dedicação, critério e atenção. Daí, quem se propõe a realizar uma pesquisa, por mais simples que seja, deve elaborar um peque planejamento. Logo não deixe essa tarefa para última hora.

Paginação e Numeração.

A numeração das paginas tem início a partir da primeira folha do trabalho que é denominado folha rosto, excluindo a capa.

As folhas preliminares, isto é, da primeira página até o início da introdução, a numeração será feita em algarismo romano e ficará no centro da margem inferior.

As demais páginas serão numeradas na margem superior à direita, e são feitas em algarismo arábico.

Para que se tenha uma idéia mais concreta, apresentando os seguintes esquemas:

 

O trabalho deverá ser feito datilografado, isto é, digitado.

Obs. Mas o correto deveria como a tempos atrás, feito a mão e com bico de pena!

Dicas:

Papel = A4 internacional branco

Margens = Inferior e Superior: 3 cm

Esquerda e direita: 2,5 cm (15 espaços)

Parágrafos: 1,25 cm (10 espaços)

 

Linhas e Espaços:

Linha por páginas = 26 a 38

Espaço – no Corpo do trabalho =1,5 cm.

Rodapé e Citações = espaços simples.

 

É recomendável que o trabalho seja entregue em 3 (três) vias, de forma facilitar os examinadores.

Notas de Rodapé.

São explicações complementares que segundo Moura et alli (1998) fogem à linha de raciocínio que está sendo seguida no texto.

É importante que o autor saiba diferenciar alguns termos, de forma a não confundi-los.

É comum que iniciantes façam alguma confusão entre índices, resumos e sumário.

Índice – é a lista de alhada dos assuntos, nomes das pessoas, nomes geográficos, acontecimentos, etc, com a localização no texto. Pode ser posto ao início ou no fim.

Resumo – é a apresentação concisa e freqüentemente seletiva do texto de um documento, com ênfases nos elementos de maior interesses e relevâncias.

Sumário – é a numeração das principais diversões ou seções de um documento.

·         Referência Bibliográfica – É um conjunto de indicações completas particularizadas e sistemáticas do trabalho, que devem seguir as normas básicas da Associação Brasileira de Normas Técnicas [ABNT].

·            Bibliografia – Diz respeito às obras recomendados e/ou consultadas pelo autor e que não foram citadas no texto.

Caso o autor tenha feito uma pesquisa que contenha nomes desconhecidos ou de uso muito restrito é prudente que seja feito uma lista de palavras acompanhadas da definição, qual denominado Glossário.

A título de ilustração, mostraremos abaixo um roteiro que poderá ser utilizados por aqueles que desejam escrever seus trabalhos ou apresentar suas palavras:

 

·         Elementos Preliminares

Capa

Folha de Rosto

Sumário ou Índice

Tabelas, Figuras, Gráficos, Anexos;

·         Texto

Introdução

Corpo do Trabalho ou Desenvolvimento

Conclusão ou seção final;

·         Referência Bibliográfica

Conclusão.

Segundo Heredia et alli (1989), a conclusão avalia a apresenta os resultados obtidos e sugerir idéias e abordagens novas para serem considerados em outros trabalhos.

Daí, o autor necessita de ter bom senso, equilíbrio, espírito crítico, etc; de forma que a conclusão possa ser lógica, legitima e imparcial. Além disso, nunca sé esqueça que pesquisar é a forma mais deliciosa de se aprender, por isso não considere a pesquisa um “bicho de sete cabeças”.

Referência Bibliográfica.

Heredia, M. E. et alli. Elaboração de Monografia. Normas Básicas e Operacionais. AFE, Duque de Caxias, RJ: 1989.

Mota, E.F.G. Orientação para Elaboração de um Trabalho de Pesquisas: Trabalho Acadêmico.

Moura, M.L.S. et alli, Manual Elaboração de Pesquisas. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 1998.

Normas para Apresentação de Teses e Dissertações. PUC, Rio de Janeiro: 1980.

Seabra, G.F. Pesquisas Científicas. O Método em Questão. Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 2001.

Viegas, W Fundamentos da Metodologia Científica. Brasília: Paralelo 15, Ed. Universidade de Brasília, 1999.

O propósito deste trabalho é desprender maçons dos graus 1 a 3 o interesse pela pesquisa, de forma a poder enfocar e modelar a compreensão às visões conceituais dos diversos autores; além disso, busca-se também a aprendizagem de resgatar suas experiências e os dados pesquisados.

“Em pesquisa, quem não sabe o que procura não sabe o que encontra”.

(Claude Bernard).

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

 
Livro Banquete Maçônico
Banner
Visitantes Online
Nós temos 44 visitantes online
Twitter

Nos siga no Twitter

Idiomas / Language
English French German Spain Italian
Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
Publicidade
Banner
Banner
Banner
Banner